S32-01

S32-01

Emoções, comunicação online e género

 

Hoje em dia, e para a maioria das pessoas, é impensável viver sem um computador ou sem dispositivos móveis com acesso à internet. Estes meios são parte integrante e indissociável da rotina diária, possibilitando realizar as mais diversas tarefas bem como comunicar e interagir.

Segundos estudos realizados, a comunicação que se processa online, em ambientes virtuais, contrariamente ao senso comum não é uma comunicação fria e impessoal, pobre em termos relacionais, despojada de qualquer sentimento ou onde é difícil expressar o que sentimos, dada a ausência de indicadores não verbais. A partir da década de 90, do século XX, são realizadas pesquisas que concluem que as diferenças de género que se verificam no mundo real (face a face), relativamente à expressão de emoções e de sentimentos, verificam-se igualmente no mundo virtual, na comunicação que se processa online.

O presente artigo apresenta um estudo de natureza qualitativa realizado com o objetivo de verificar algumas dessas similitudes e diferenças de género, durante uma formação na modalidade de b-learning, numa instituição de ensino superior, incidindo em particular na sua componente a distância e online. Teve como objetivos: caracterizar os discursos emocionais, dos adultos/estudantes, em função do tipo de interação educativa online, assim como, verificar se existem diferenças entre géneros na expressão das suas emoções e sentimentos. Pretendeu-se analisar os códigos e regras de escrita utilizados, por parte dos sujeitos, para complementar e reforçar a expressão das suas emoções num ambiente virtual. Para tal, realizou-se uma análise de conteúdo das mensagens enviadas por email e publicadas nos diversos espaços virtuais, criados para o efeito, nas unidades curriculares online.

 

Os resultados obtidos revelam a expressão por ambos os géneros de emoções positivas como negativas. Estas foram manifestadas face aos diferentes níveis de uso e de interação educativa online, interligando-se com responsabilidades pessoais e profissionais. Uma das diferenças que se observou nos géneros face à expressão das emoções, quer positivas quer negativas, residiu mais na forma como as expressaram nos espaços virtuais e não tanto no conteúdo.

Estes resultados estão em consonância com os estudos desenvolvidos neste âmbito, tendo sido analisadas as emoções experienciadas em função das diferentes situações de aprendizagem online. Sustentam que deve ser tida em conta a natureza das emoções, o seu papel em modelos de formação online e de que forma as emoções (positivas/negativas) podem predispor ou inibir para a aprendizagem e para o desenvolvimento de competências.

Palavras-chave: emoções, comunicação e formação online, género

Firmantes

Nombre Adscripcion Procedencia
Ana Isabel Runa Instituto Superior de Educação e Ciências de Lisboa

ORGANIZA

COLABORA